Pedro I, (nascido em 12 de outubro de 1798, Lisboa, Porto – morreu em 24 de setembro de 1834, Lisboa), é o fundador do império brasileiro e primeiro imperador do Brasil, de 1º de dezembro de 1822 a 7 de abril de 1831 também contado como o rei Dom Pedro IV de Portugal.

Infância de Dom Pedro I em Portugal

Pedro de Alcântara Francisco António João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim nasceu a 12 de outubro de 1798 no Palácio Real de Queluz, nos arredores de Lisboa. Ele era descendente de linhagem real de ambos os lados: do lado de seu pai, ele era da Casa de Bragança, a casa real de Portugal, e sua mãe era Carlota da Espanha, filha do rei Carlos IV. Na época de seu nascimento, Portugal era governado pela avó de Pedro, a rainha Maria I, cuja sanidade se deteriorava rapidamente. O pai de Pedro, João VI, essencialmente governou em nome de sua mãe. Pedro tornou-se herdeiro do trono em 1801, quando seu irmão mais velho morreu. Como um jovem príncipe, Pedro tinha a melhor educação e tutoria disponível.

A fuga da família real para o Brasil

Em 1807, as tropas de Napoleão conquistaram a Península Ibérica. Desejando evitar o destino da família governante da Espanha, que eram “hóspedes” de Napoleão, a família real portuguesa e a corte fugiram para o Brasil. A rainha Maria, o príncipe João e o jovem Pedro, entre milhares de outros nobres, embarcaram em novembro de 1807, à frente das tropas que se aproximavam de Napoleão. Eles foram escoltados por navios de guerra britânicos, e a Grã-Bretanha e o Brasil desfrutaram de um relacionamento especial por décadas a seguir. O comboio real chegou ao Brasil em janeiro de 1808: o príncipe João montou uma corte no exílio no Rio de Janeiro. O jovem Pedro raramente via seus pais: seu pai estava muito ocupado governando e deixou Pedro com seus tutores, e sua mãe era uma mulher infeliz, afastada de seu marido, pouco desejosa de ver seus filhos e de morar num palácio diferente. Pedro era um jovem brilhante que era bom em seus estudos quando se aplicava, mas não tinha disciplina.

Pedro, Príncipe do Brasil

Quando jovem, Pedro era bonito e cheio de energia e gostava de atividades físicas como cavalgadas, nas quais se destacava. Ele tinha pouca paciência para as coisas que o entediavam, como seus estudos ou política, embora ele se tornasse um marceneiro e músico muito habilidoso. Ele também gostava de mulheres e começou uma série de assuntos em uma idade jovem. Ele estava prometido à arquiduquesa Maria Leopoldina, uma princesa austríaca. Casado por procuração, ele já era seu marido quando a cumprimentou no porto do Rio de Janeiro seis meses depois. Juntos, eles teriam sete filhos. Leopoldina era muito melhor na arte política do que Pedro e o povo do Brasil a amava, embora, evidentemente, Pedro a achasse clara: ele continuava a ter assuntos regulares, para grande consternação de Leopoldina.

Pedro Torna-se Imperador do Brasil

Em 1815, Napoleão foi derrotado e a família Bragança foi novamente governante de Portugal. A rainha Maria, então já muito louca, morreu em 1816, tornando João rei de Portugal. João estava relutante em mover a corte de volta para Portugal, no entanto, e governou do Brasil através de um conselho de procuradores. Falou-se em mandar Pedro para Portugal para governar a casa de seu pai, mas no final, João decidiu que ele tinha que ir a Portugal para garantir que os liberais portugueses não eliminassem inteiramente a posição do rei. família real. Em abril de 1821, João partiu, deixando Pedro no comando. Quando ele partiu, ele disse a Pedro que se o Brasil começasse a se mudar para a independência, ele não deveria lutar contra isso, mas certifique-se de que ele fosse coroado imperador.

Independência do Brasil

O povo do Brasil, que desfrutara do privilégio de ser a sede da autoridade real, não gostou muito de retornar ao status de colônia. Pedro aceitou o conselho de seu pai e o de sua esposa, que lhe escreveu: “A maçã está madura: pegue-a agora ou apodreça”. Pedro declarou dramaticamente a independência em 7 de setembro de 1822 na cidade de São Paulo. Ele foi coroado Imperador do Brasil em 1º de dezembro de 1822. A independência foi alcançada com muito pouco derramamento de sangue: alguns legalistas portugueses lutaram em locais isolados, mas em 1824 todo o Brasil foi unificado com relativamente pouca violência. Neste, o almirante escocês Lord Thomas Cochrane foi inestimável: com uma pequena frota brasileira, ele expulsou os portugueses das águas brasileiras com uma combinação de músculo e blefe. Pedro mostrou-se habilidoso ao lidar com rebeldes e dissidentes. Em 1824 o Brasil tinha sua própria constituição e sua independência foi reconhecida pelos EUA e pela Grã-Bretanha. Em 25 de agosto de 1825, Portugal reconheceu formalmente a independência do Brasil: ajudou João a ser rei de Portugal na época.

 O fim do reinado de Dom Pedro I

Após a independência, a falta de atenção de Pedro aos estudos voltou para assombrá-lo. Uma série de crises tornou a vida difícil para o jovem governante. A Cisplatina, uma das províncias do sul do Brasil, se separou com o incentivo da Argentina: acabaria se tornando o Uruguai. Ele teve uma briga bem divulgada com José Bonifácio de Andrada, seu principal ministro e mentor. Em 1826 sua esposa Leopoldina morreu, aparentemente de uma infecção causada após um aborto espontâneo. O povo do Brasil a amava e perdia o respeito por Pedro devido a seus famosos flertes: alguns até disseram que ela havia morrido porque ele bateu nela. De volta a Portugal, seu pai morreu em 1826 e a pressão aumentou sobre Pedro para ir a Portugal reivindicar o trono lá. O plano de Pedro era casar sua filha Maria com seu irmão Miguel: ela seria a rainha e Miguel seria o regente. O plano falhou quando Miguel tomou o poder em 1828.

Abdicação de Dom Pedro I do Brasil

Pedro começou a pensar em se casar novamente, mas a notícia de seu pobre tratamento da respeitada Leopoldina o precedia e a maioria das princesas européias não queria ter nada a ver com ele. Ele finalmente se estabeleceu em Amélie de Leuchtenberg. Ele tratou Amélie bem, até banindo sua amante de longa data, Domitila de Castro. Embora ele fosse bastante liberal para o seu tempo – ele favoreceu a abolição da escravidão e apoiou a constituição – ele lutou continuamente com o Partido Liberal Brasileiro. Em março de 1831, liberais brasileiros e monarquistas portugueses lutaram nas ruas: ele demitiu seu gabinete liberal, levando à indignação e pedindo que ele abdicasse. Ele o fez em 7 de abril, abdicando em favor de seu filho Pedro, então com cinco anos de idade: o Brasil seria governado por regentes até que Pedro II atingisse a maioridade.

A volta de Dom Pedro I para a Europa

Pedro tive grandes problemas em Portugal. Seu irmão Miguel usurpou o trono e segurou firme o poder. Pedro passou algum tempo na França e na Grã-Bretanha: ambas as nações apoiaram, mas não quiseram se envolver em uma guerra civil portuguesa. Entrou na cidade do Porto em julho de 1832. Seu exército consistia de liberais, brasileiros e voluntários estrangeiros. A princípio, as coisas correram mal: o exército do rei Manuel era muito maior e cercou Pedro no Porto por mais de um ano. Então Pedro enviou algumas de suas forças para atacar o sul de Portugal: a surpresa ocorreu e Lisboa caiu em julho de 1833. Assim como parecia que a guerra havia acabado, Portugal foi arrastado para a Primeira Guerra Carlista na vizinha Espanha: a ajuda de Pedro manteve a rainha Isabella II da Espanha no poder.

O legado de Dom Pedro I do Brasil

Pedro estava no seu melhor em tempos de crise: os anos de guerra haviam realmente revelado o melhor dele. Ele era um líder natural em tempo de guerra, com uma conexão real com os soldados e pessoas que sofreram no conflito. Ele até lutou nas batalhas. Em 1834 venceu a guerra: Miguel foi exilado de Portugal para sempre e a filha de Pedro, Maria II, foi colocada no trono: ela governaria até 1853. O conflito, entretanto, afetou a saúde de Pedro: em setembro de 1834, ele estava sofrendo. de tuberculose avançada. Ele morreu em 24 de setembro aos 35 anos de idade.

Pedro I do Brasil é um desses governantes que parece muito melhor em retrospectiva. Durante seu reinado, ele foi impopular com o povo do Brasil, que se ressentia de sua impulsividade, falta de governo e maus-tratos da amada Leopoldina. Embora ele fosse bastante liberal e favorecesse uma constituição forte e a abolição da escravidão, ele era constantemente criticado pelos liberais brasileiros.

Hoje, no entanto, brasileiros e portugueses respeitam sua memória. Sua posição sobre a abolição da escravidão estava à frente de seu tempo. Em 1972, seus restos foram devolvidos ao Brasil com grande fanfarra. Em Portugal, ele é respeitado por ter derrubado seu irmão Miguel, que pôs fim às reformas modernizadoras em favor de uma monarquia forte.

Durante o dia de Pedro, o Brasil estava longe da nação unida que é hoje. A maioria das cidades situava-se ao longo da costa e o contato com o interior predominantemente inexplorado era irregular. Mesmo as cidades costeiras eram bastante isoladas umas das outras e muitas vezes a correspondência era a primeira em Portugal. Interesses regionais poderosos, como cafeicultores, mineradoras e plantações de cana-de-açúcar, estavam crescendo, ameaçando dividir o país. O Brasil poderia facilmente ter seguido o caminho da República da América Central ou da Grande Colômbia e ter sido separado, mas Pedro I e seu filho Pedro II eram firmes na determinação de manter o Brasil inteiro. Muitos brasileiros modernos creditam a Pedro I a unidade que eles desfrutam hoje.